Diário Oficial de Porto Alegre publica o resultado das eleições para o CMDUA

 

Após 22 dias do final das eleições para o CMDUA, o resultado foi publicado no Diário Oficial de Porto Alegre (páginas 22 e 23).

http://dopaonlineupload.procempa.com.br/dopaonlineupload/2473_ce_20180516_executivo.pdf

Anúncios

Entidades cobram posse do novo Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental

Fonte: Sul21

Fernanda Canofre

Na reunião do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental (CMDUA), realizada na noite desta terça-feira (15), representantes eleitos e entidades voltaram a denunciar o atraso na posse dos novos conselheiros. Depois de ter atrasado a eleição em sete meses, a Prefeitura ainda não tem previsão de quando os eleitos poderão tomar posse do mandato.

Criado em 1959, para desenvolver o Plano Diretor da cidade, o Conselho é composto por representantes da sociedade civil, entidades de classe, empresariais, ambientais e científicas e representantes das Regiões de Planejamento, eleitos a cada dois anos, pela comunidade. As eleições para o próximo Conselho deveriam ter acontecido em setembro do ano passado, mas foram adiadas para abril. A posse, que pela legislação seria em janeiro, já que o atual mandato completou dois anos em dezembro, também foi adiada sem nova data.

O secretário de meio-ambiente e sustentabilidade, Maurício Fernandes, que ocupa o cargo de presidente do Conselho, não compareceu à reunião. Segundo fontes ouvidas pela reportagem, o que tem se tornado uma “constante” na gestão do prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB). Antigamente, o presidente era eleito por seus pares, mas uma regra da ditadura colocou a presidência nas mãos de quem coordena a pasta de planejamento no Executivo.

Segundo Vinicius Vieira, conselheiro do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), as explicações dadas até o momento são do corpo técnico da Prefeitura, não do político. Nenhuma delas justificaria a alteração na legislação que rege o Conselho.


Vinicius Vieria, conselheiro do CAU/RS | Foto: Joana Berwanger/Sul21

“A cada 10 anos a gente tem que passar por uma revisão do Plano Diretor, nesse momento de preparação, a gente está muito atrasado. A gente já deveria estar debatendo o que deve ser feito até 2020, nesse longo processo que vai envolver a sociedade civil, diálogo com o governo. Cada semana, cada mês que não se tem a oportunidade de um Conselho constituído, com legitimidade garantida, a sociedade está perdendo, o planejamento está perdendo e a cidade também”, diz Vieira.

Quase trinta dias desde as eleições, a Prefeitura não estipulou uma data para a posse. Ainda nesta terça, uma portaria foi publicada para prolongar o atual mandato até o final de maio. Durante a reunião, os conselheiros foram comunicados que o poder publico deve publicar na quarta-feira a lista oficial dos eleitos.

“Da reunião de hoje, ficou muito claro que há um esgotamento do atual mandato. A pauta ordinária, os processos administrativos, nenhum foi analisado hoje. Foram as nossas comunicações e manifestações a pedido”, avalia Rafael Passos, presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil no Rio Grande do Sul (IAB/RS).


Rafael Passos, presidente do IAB/RS | Foto: Joana Berwanger/Sul21

Para ele, há também a preocupação de ver o Conselho assumindo seu papel no planejamento da cidade, às vésperas de se discutir o novo Plano Diretor. O que poderia ser dificultado, em um momento que o município tem o corpo técnico responsável pelo setor reduzido. Para comparar, Passos aponta que, enquanto há 7 técnicos na revisão do planejamento, há 50 arquitetos trabalhando com o licenciamento.

“Esse Conselho precisa assumir esse papel, mas mais do que isso, o papel que assumiu durante a revisão do plano diretor de 1999, que é coordenar o processo de debate. Acionar os fóruns regionais de planejamento, que possam redundar numa proposta para revisão”, aponta.



Novos conselheiros

, novo perfil 

O presidente do IAB lembra ainda que o próprio perfil do Conselho está prestes a mudar, com os novos eleitos. Enquanto o mandato atual, eleito em 2015, era composto era predominantemente corretores imobiliários, empresariado da construção civil, agora há numero maior de outros profissionais, como arquitetos, engenheiros, além da chegada de um grupo de economistas e outras entidades que serão colocadas na suplência.


Felisberto Luigi, eleito para a RP1 | Foto: Joana Berwanger/Sul21

“A gente quer que se faça uma discussão, não só em termos técnicos, mas em termos políticos também. Nós não assumimos o Conselho, nem queremos assumir, com posição política-partidária, mas queremos uma política de planejamento para a cidade. Queremos que inclua as pessoas, que volte a ser uma cidade inclusiva, que as soluções sejam discutidas coletivamente, não só defendendo os interesses de alguns segmentos. Mas, o interesse da cidade, que ela seja para todos”, diz Felisberto Luigi, eleito como representante da Região de Planejamento 1, que inclui 17 bairros.

Eleita para representar a Lomba do Pinheiro e o Partenon, a ex-vereadora Maristela Mafei diz que o atraso e a incerteza diante do processo de troca de conselheiros a fez se sentir “desrespeitada”. “Todos nós estamos saindo dos nossos trabalhos, deixando nossas casas, para pensar a cidade. Todo projeto que passa aqui, não é só da nossa região, mas a urbe como um todo. A fauna, a flora, o espalho d’água, a mobilidade, todas essas dimensões”.

Com a sua chapa, composta inteiramente por mulheres, ela conta que mobilizou 800 pessoas em três horas, para a votação, acreditando na importância do debate realizado dentro do Conselho. Pelas regras, qualquer pessoa pode participar da votação, desde que apresente documento de identidade e comprovante de residência da região onde vota.


Maristela Mafei, eleita na RP7 | Foto: Joana Berwanger/Sul21

Maristela e Felisberto dizem que uma das ideias já debatidas entre os eleitos é de poder abrir o Conselho, colocando os delegados de cada região para participarem juntos das discussões. A ideia, seria evitar que “uma maioria eventual decida o destino de uma cidade, sem discutir com as comunidades envolvidas”.

“Nós temos visões ideológicas, isso é natural, porque faz parte da democracia. Mas, não é uma visão partidária. Nós estamos organizando seminários, são 107 delegados na nossa região e queremos fazer isso junto com as outras regiões nessa pluralidade de cidade, pensando Porto Alegre. Esse protagonismo não pode ser um susto para o prefeito. Tem que ser abraçado, porque isso é legítimo e sagrado para nós”, defende Maristela.

Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental – CMDUA – Porto Alegre – Eleições 2018-2019

Por Lucimar F. Siqueira*

A escolha da composição do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental – CMDUA para o período 2018-2019, em curso na cidade de Porto Alegre, está diretamente relacionada ao Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental – PDDUA.

O CMDUA compõe o Sistema de Planejamento, cuja estratégia “objetiva um processo de planejamento dinâmico e contínuo, que articule as políticas da administração municipal com os diversos interesses da sociedade, promovendo instrumentos para o monitoramento do desenvolvimento urbano.” (Capítulo VII, Art.24, PDDUA).

Os “canais de participação como os Conselhos Municipais, Entidades Profissionais, Sindicais e Empresariais, funcionalmente vinculadas ao desenvolvimento urbano da cidade, as Associações de Moradores e as Regiões de Gestão do Planejamento” representam uma das formas para efetivação do Sistema de Planejamento Urbano. (Capítulo VII, Art.24, Inciso II, PDDUA).

O CMDUA é composto por três grandes segmentos. São eles:

  • Governamental – órgãos públicos do Município, Estado e União
  • Comunitário – Conselheiros e delegados representantes de comunidades das Regiões de Gestão e Planejamento
  • Entidades – entidades empresariais da área da construção civil; entidades de classe e afins ao planejamento urbano;  entidades ambientais e instituições científicas)

Cada um dos segmentos possui processo específico de escolha de seus conselheiros. Os representantes do segmento Governamental são indicados por suas instituições;  Comunitário e Entidades são escolhidos através de votação orientada por editais distintos. Em 2018, o poder público municipal convocou o segmento Comunitário através do  EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA A ELEIÇÃO DO CMDUA – FÓRUNS REGIONAIS DE PLANEJAMENTO e as Entidades, pelo EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA OS FÓRUNS DE ENTIDADES E ELEIÇÃO PARA O CMDUA. Veja a documentação completa no site da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. 

Fóruns Regionais de Planejamento

Porto Alegre apresenta oito Regiões de Gestão e Planejamento – RGP. Os Fóruns Regionais de Planejamento são formados pelo Conselheiro e dois suplentes que assumem assento no CMDUA, e por um conjunto de delegados eleitos em cada RGP.

Ao longo da mobilização para eleição, o grupo de delegados pode se dividir em apoio à chapas distintas, mas sua participação nos Fóruns Regionais de Planejamento não está condicionada às chapas. Para ser delegado eleito, basta manter a proporção de quatro eleitores para cada delegado, independente de ter apoiado ou não a chapa vencedora.

As 8 Regiões de Gestão e Planejamento de Porto Alegre elegem através de votação os representantes em cada uma das 8 RGP obedecendo calendário estabelecido pelo poder público e respectivos locais em cada uma das RGP.

Ao final, os Fóruns Regionais de Planejamento terão oito representantes titulares no CMDUA mais os seus suplentes.

Um dos assentos comunitários é destinado ao Conselho do Orçamento Participativo, através da Temática OCDUA – Organização da Cidade Desenvolvimento Urbano Ambiental. Completa-se assim, as nove vagas destinadas ao segmento Comunitário.

Locais e datas de votação das RGP em 2018

 

  • RGP1 – 29/03/2018 – Das 17h às 20h. Câmara Municipal de Porto Alegre.  Bairros: Auxiliadora, Azenha, Bela Vista, Bom Fim Centro Histórico, Cidade Baixa, Farroupilha, Floresta, Independência Jardim Botânico, Marcílio Dias, Menino Deus, Moinhos de Vento, Mont’Serrat, Petrópolis, Praia de Belas, Rio Branco, Santa Cecília e Santana.
  • RGP2 – 02/04/2018 – das 17h às 20h. EMEF Vereador Antonio Giudice. Rua Caio Brandão de Mello, 1.Humaitá. Bairros: Anchieta, Arquipélago, Boa Vista, Cristo Redentor, Farrapos, Higienópolis, Humaitá, Jardim Itú, Jardim Lindóia, Jardim São Pedro, Navegantes, Passo D’Areia, Santa Maria Goretti, São Geraldo, São João, São Sebastião, Vila Floresta e Vila Ipiranga.
  • RGP3 – 05/04/2018 – das 17h às 20h. Centro Vida
    Área de Convivência. Av. Baltazar de Oliveira Garcia, 2132, Sarandi. Bairros: Passo das Pedras, Rubem Berta e Sarandi.
  • RGP4 – 09/04 – das 17h às 20h. CTG Raízes do Sul. Rua São Domingues, 89, Bom Jesus. Bairros: Bom Jesus, Chácara das Pedras, Jardim Carvalho, Jardim do Salso, Jardim Sabará, Mário Quintana, Morro Santana, Três Figueiras e Vila Jardim.
  • RGP5 – 12/04 – das 17h às 20h. Auditório do Postão da Cruzeiro R. Moab Caldas, 400, Cruzeiro. Bairros: Belém Velho, Cascata, Cristal, Glória, Medianeira e Santa Tereza.
  • RGP6 – 16/04 – das 17 às 20h. CECOPAM. R. Arroio Grande, 50, Cavalhada. Bairros: Camaquã, Campo Novo, Cavalhada, Espírito Santo, Guarujá, Hípica, Ipanema, Jardim Isabel, Nonoai, Pedra Redonda, Serraria, Teresópolis, Tristeza, Vila Assunção e Vila Conceição.
  • RGP7 – 19/04 – das 17h às 20h. CPCA. Estr. João de Oliveira Remião, 4444, Agronomia. Bairros: Agronomia, Cel. Aparício Borges, Lomba do Pinheiro, Partenon, Santo Antonio, São José e Vila João Pessoa.
  • RGP8 – 23/04 – das 17h às 20h. EMEF Senador Alberto Pasqualini R. Ten. Arizoly Fagundes, 250, Restinga. Bairros: Belém Novo, Chapéu do Sol, Lageado, Lami, Ponta Grossa e Restinga.

Fonte: Folder de divulgação da PMPA

Segmento Governamental

No segmento Governamental, os representantes são indicados pelas respectivas instituições. Compõem este segmento sete representantes do Município, um representante do Estado (Metroplan) e um representante da União (UFRGS) perfazendo total de nove representantes.

Segmento das Entidades

O grupo das Entidades escolhem representações através do Fórum de Entidades. O segmento é composto por três sub-grupos: cinco entidades de classe e afins ao planejamento urbano; duas entidades empresariais preferencialmente do ramo da construção civil; duas entidades ambientais e instituições de pesquisas (ONG), num total de nove entidades.

As entidades interessadas em participar do pleito efetuam suas inscrições para compor o Fórum de Entidades. Após homologação e cumprimento de prazo regimentar, ocorre a eleição das entidades que comporão o CMDUA em data, hora e local estabelecido no edital. Em 2018, as entidades credenciadas se reuniram no dia 28 de março, nas dependências da SMAMS (Sala do CMDUA) onde ocorreu a votação. As entidades foram credenciadas e organizadas nos seus respectivos sub-grupos.  Cada representante de entidade recebeu uma cédula com a relação das entidades habilitadas. Os sub-grupos escolheram presidente e secretário/a, efetuaram as apresentações das entidades presentes e ocorreu a votação. Apurados os votos a composição do segmento Entidades para o CMDUA no período 2018-2019 é:

Resultado das eleições CMDUA Entidades 2018-2019

 

Entidades de Classe e Afins ao Planejamento Urbano
– Conselho de Arquitetura e Urbanismo do RS
– Sindicato dos Engenheiros no Estado do RS
– Sociedade de Economia do RS – Secon
– Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB
– Sindicato dos Arquitetos do RS
Entidades Ambiental e Instituições Científicas
– Acesso Cidadania e Direitos Humanos
– Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – Abes
Entidades Empresariais, preferencialmente da Área da Construção Civil
– Sindicato das Indústrias da Construção Civil – Sinduscon RS
– Associação Riograndense dos Escritórios de Arquitetura – Area

Desafios

Após concluído o processo de eleição e indicação dos conselheiros, deverá ocorrer a posse e o início dos trabalhos dos Fóruns Regionais de Planejamento. Cada Fórum Regional constituído deverá elaborar seu regimento interno e apresentá-lo ao CMDUA.

Neste período, um dos desafios para os novos participantes tanto no CMDUA quanto nos Fóruns Regionais de Planejamento será o debate com a sociedade sobre a revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental.

É importante, portanto, manter a mobilização pois os rumos do desenvolvimento da cidade de Porto Alegre tem a possibilidade de contar com a ampla participação da população.

Avante!


FONTES:

– PORTO ALEGRE – PDDUA – Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental. 2010. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/…/usu_…/planodiretortexto.pdf).

– PORTO ALEGRE – CMDUA – Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental. Disponível em: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/spm/default.php?p_secao=300

– PORTO ALEGRE – EDITAIS que envolveram as eleições em 2018:

Fóruns Regionais de Planejamento
EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA A ELEIÇÃO DO CMDUA – FÓRUNS REGIONAIS DE PLANEJAMENTO

EDITAL COMPLEMENTAR (LOCAIS DE VOTAÇÃO)
Formulário de inscrição Chapas (Fóruns Regionais de Planejamento)
Declaração Candidato a Conselheiro
EDITAL DE CONVOCAÇÃO E INSCRIÇÃO PARA A ELEIÇÃO DO BIÊNIO 2018-2019

EDITAL COMPLEMENTAR INCRIÇÕES HOMOLOGADAS PARA A ELEIÇÃO DAS REGIÕES DE GESTÃO E PLANEJAMENTO
– Para fazer o download das Regiões de Gestão de Planejamento em formato KML (necessário a instalação de Google Earth). CLIQUE AQUI

Fórum de Entidades
EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA OS FÓRUNS DE ENTIDADES E ELEIÇÃO PARA O CMDUA
EDITAL COMPLEMENTAR (FÓRUM DE ENTIDADES)
Formulário de inscrição Entidades.
EDITAL DE CONVOCAÇÃO E INCRIÇÕES DOS FÓRUNS DE ENTIDADES PARA A ELEIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO AMBIENTAL (CMDUA) – GESTÃO 2018/2019
EDITAL COMPLEMENTAR INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS FÓRUNS DE ENTIDADES DO CMDUA

 

  • Geógrafa, participante do Observatório das Metrópoles-Porto Alegre e doutoranda em Planejamento Urbano e Regional PROPUR/UFRGS.

Resultado das eleições da RP1 – CMDUA

A chapa eleita para o período 2018-2019 do CMDUA foi a Chapa 2, composta por:

TITULAR: Felisberto Seabra Luisi – Advogado, militante social, cooperativista. Suplente na Temática Habitação, Organização da Cidade, Desenvolvimento Urbano e Ambiental do Orçamento Participativo e suplente no CMDUA pelo Orçamento Participativo. Morador do bairro Centro Histórico.

 1° SUPLENTE: Jose Romari Dutra da Fonseca (Zé Fonseca) –  Bancário aposentado, ex-dirigente do Sindibancários, ambientalista e participante do Coletivo A Cidade Que Queremos. Morador do bairro Menino Deus.

2° Suplente: Claucia Piccoli Faganello – Bacharel em Administração, Especialista em Gestão Pública, Mestre em Sociologia. Atualmente é pesquisadora no Grupo de Pesquisa em Estado, Democracia e Administração Pública  (UFRGS), colaboradora do Movimento de Luta em Vilas, Bairros e Favelas (MLB), integrante do Grupo de Assessoria Popular (GAP) no SAJU/UFRGS. Moradora do bairro Cidade Baixa.

O número de votos  para cada chapa foi:

Chapa 1 – dois votos
Chapa 2 – trezentos e dez votos
Chapa 3 – tres votos

A eleição contou com a participação do Sr. Leo Frediani, de 88 anos. Morador do bairro Menino Deus, Seu Frediani é responsável por centenas de árvores plantadas que adornam as ruas do bairro.
Mais informações no site da SMAM. 

 

Eleições para o CMDUA e Fóruns Regionais de Planejamento – 2018

Card_face

Já pensou em discutir e propor como Porto Alegre deve se desenvolver? Sabia que existe uma maneira de participar das decisões sobre a criação de praças, ruas, novos edifícios no seu bairro e até mesmo sobre os gastos com obras públicas e contrapartidas para a comunidade?

O CMDUA (Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental) é o Conselho que trata do planejamento urbano de Porto Alegre. Ele é composto por funcionários da Prefeitura, entidades (associações, sindicatos, profissionais, empresários, etc..) e também por representantes do seu bairro e da sua região.

No CMDUA pode-se fazer propostas sobre o Plano Diretor que é a Lei mais importante para definir o tipo de cidade onde queremos viver. Onde será construída uma nova unidade de saúde, uma nova escola, uma nova praça. Pode-se, também, discutir e decidir para que lado a cidade crescerá, sobre a construção ou não de um novo edifício, condomínio fechado, ou projetos de renovação no teu bairro e em outras partes da cidade.

Nos Fóruns Regionais pode-se debater o planejamento da sua região, bairro e elaborar os planos regionais, além de demandar esgoto, água, e o direito à moradia através, por exemplo, da Regularização Fundiária.

A oportunidade é agora.

Participe!

Chapa 2 – eleições CMDUA 2018 – RP1


Mais informações sobre a votação no link: Eleições CMDUA 2018 – Chapa 2 – RP1

Evento no Facebook https://www.facebook.com/events/1943003709348638/

Site da Prefeitura Municipal de Porto Alegre: CMDUA eleições 2018.


 

 

Eleições Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental (CMDUA) 2018 – Chapa 2 – Região de Gestão e Planejamento 1 (RP1)

Evento no Facebook https://www.facebook.com/events/1943003709348638/

Card_CHAPA

Por uma cidade inclusiva, democrática, participativa e com respeito a todos. Ao pedestre, ao ciclista, à diversidade de gênero, raça, classe, idade e credo. Ao cidadão em situação de rua, aos que necessitam de moradia social, à luta e à resistência. Por uma cidade novamente ALEGRE, com valorização do espaço público, do encontro e do convívio, onde as crianças e adultos possam brincar e circular. Onde o desenvolvimento possa coexistir com o respeito ao meio ambiente, à memória, ao patrimônio histórico, artístico e cultural, à identidade dos bairros, da cidade e às necessidades da população de baixa renda. Uma cidade cujo desenvolvimento se dê a partir dos interesses dos cidadãos.

Chapa 2 – Eleições CMDUA 2018 – RP1

CANDIDATOS À CONSELHEIROS PELA RP1*

TITULAR: Felisberto Seabra Luisi

Advogado, militante social, cooperativista. Suplente na Temática Habitação, Organização da Cidade, Desenvolvimento Urbano e Ambiental do Orçamento Participativo e suplente no CMDUA pelo Orçamento Participativo. Morador do bairro Centro Histórico.

1° SUPLENTE: Jose Romari Dutra da Fonseca (Zé Fonseca)

Bancário aposentado, ex-dirigente do Sindibancários, ambientalista e participante do Coletivo A Cidade Que Queremos. Morador do bairro Menino Deus.

2° Suplente: Claucia Piccoli Faganello

Bacharel em Administração/UERGS, Especialista em Gestão Pública, Mestre em Sociologia. Atualmente é pesquisadora no Grupo de Pesquisa em Estado, Democracia e Administração Pública  (UFRGS), colaboradora do Movimento de Luta em Vilas, Bairros e Favelas (MLB), integrante do Grupo de Assessoria Popular (GAP) no SAJU/UFRGS. Moradora do bairro Cidade Baixa.

*Região de Gestão e Planejamento 1


QUEM PODE VOTAR NA RP1?  

 – Maiores de 16 anos
– Moradores residentes nos bairros:

Marcílio Dias, Floresta, Centro Histórico, Auxiliadora, Moinhos de Vento, Independência, Bom Fim, Rio Branco, Mont’ Serrat, Bela Vista, Farroupilha, Santana, Petrópolis, Santa Cecília, Jardim Botânico, Praia de Belas, Cidade Baixa, Menino Deus, Azenha.

QUANDO E ONDE VOTAR:

DATA: 29/03/2018
CREDENCIAMENTO e VOTAÇÃO: das 17h às  20h (PMPA)
LOCAL: Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre (Av. Loureiro da Silva, 255).

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS:

– Carteira de Identidade
– Comprovante de residência
Documentos comprobatórios da residência (somente um deles)
1. Guia de IPTU
2. Imposto de Renda
3. Conta de Luz
4. Conta de água (condomínio)
5. Conta de telefone (fixo ou móvel) ou internet
6. Extrato de cartão de crédito
7. Carnês de lojas ou boleto
8. Para eleitores que não possuírem documentos comprobatórios de residência em seu nome, será permitida a apresentação de documento público que comprove o vínculo (certidão de casamento e certidão de união estável) com o morador da Região, juntamente com o documento comprobatório de identidade civil e o comprovante de residência do cônjuge/pai/mãe.

Fonte: SMAMS – Prefeitura de Porto Alegre


CANDIDATOS A DELEGADO QUE APOIAM A  CHAPA 2

Adacir José Flores: ARCCOV-Associação Representativa e Cultural dos Comerciantes do Viaduto Otávio Rocha
Ana Lucia Lucas: Aposentada, moradora do bairro Centro Histórico
Cecilia Giovenardi Esteve:
 Arquiteta e Urbanista
Debora Caroline Boniatti da Silva: Arquiteta e Urbanista
Denise de Lima Rogowski
: Professora aposentada. Representante dos aposentados no SIMPA.
Felisberto Seabra Luisi:
 Advogado, militante social, cooperativista. Morador do bairro Centro Histórico.
Fernando Cruz Ungaretti da Silva: Advogado e integrante do Movimento Viva Cidade Baixa
Franciele Bonoldi
: Estudante de Arquitetura e Urbanismo/UFRGS
Gustavo Bernardes: Advogado e integrante do Movimento Viva Cidade Baixa
Ibirá Lucas: Arquiteto e Urbanista.
Jeanice Dias Ramos
: Jornalista, bibliotecária e museóloga.
João Volino Correa: Sociólogo, ativista comunitário e Secretário Geral da AMACAIS/Assoc. Amigos Cais do Porto.
Jose Romari Dutra da Fonseca:
 Bancário aposentado, ex-dirigente do Sindibancários, ambientalista e participante do Coletivo A Cidade Que Queremos. Morador do bairro Menino Deus.
Laura Beck Silva: Estudante de Arquitetura e Urbanismo/UFRGS, integrante do Diretório Acad. da Fac. de Arquitetura e Coletivo Ambiente Crítco.
Leandro Anton: Geógrafo e mestrando na UFRGS. Coordenador e educador do Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo. Morador do Centro.
Lucimar F. Siqueira: Geógrafa, doutoranda em Planejamento Urbano e integrante do Coletivo A Cidade Que Queremos.
Mateus Coimbra Gus: Estudante de Engenharia Mecânica, integrante do Coletivo Ambiente Crítico
Paulo G. de Moraes Guarnieri: Integrante do Coletivo Cidade Mais Humana, vice-presidente da Assoc. Comun. do Centro Histórico, atua na AREVIPA, Quilombo Areal, morador no Centro Histórico.
Pedro Xavier de Araujo
: Arquiteto e Urbanista.
Ronimar Scapini Del Pino:
 Professor aposentado. Biólogo, morador do Bairro Cidade Baixa.
Rodrigo Campos Dilelio: Sociólogo
Sabrina da Silva Endres:
 Geógrafa, atua em planejamento urbano, integrante do Coletivo Ambiente Crítico e moradora do bairro Cidade Baixa.
Samuel Tibola Jachetti
: Arquiteto e Urbanista e integrante do Coletivo Ambiente Crítico e do Coletivo A Cidade Que Queremos
Yoko Bruna Okajima
: Arquiteta e Urbanista.

ENTIDADES CANDIDATAS A DELEGADO QUE APOIAM A CHAPA 2

– ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e ambiental
– ACESSO Cidadania e Direitos Humanos
– AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural
– IAB – Instituto dos Arquitetos do Brasil – RS
– ARCCOV – Associação representativa e cultural dos comerciantes do Viaduto Otávio Rocha


 

Convite – Cartografias Inquietas

Apresentação e debate:

– Mapa das 350 Áreas Especiais de Interesse Social – AEIS de Porto Alegre (Geógrafa Sabrina Endres)

– Mapa das Remoções e destino dos atingidos pelas obras da Av. Tronco e PISA (Assistente Social Dra. Betina Ahlert)

– Mapa dos Projetos Especiais aprovados no CMDUA (Grupo de Pesquisa em Economia Urbana e Direito à Moradia)

– Mapa eleitoral do CMDUA (Coletivo Ambiente Crítico)

– DEBATE

DATA: 02 de dezembro

HORA: 14h

LOCAL: IAB-RS

Rua General Canabarro, 363

REALIZAÇÃO: Coletivo A Cidade Que Queremos

APOIO: IAB-RS

CCQQ_CartografiasInquietas(dez2017)